quarta-feira, novembro 02, 2005



Consigo esquecer-te por momentos
Apago a tua existência das minhas memórias
Quero acreditar que doi menos assim...
... ao não lembrar-te!

Passo á tua porta e não entro
Puz as tuas fotos no fundo da gaveta
E as tuas recordações...
... no fundo do meu coração!

Como magoa este punhal
Que cravaram em meu peito
Se soubesses o que sinto...
Se soubesses como sofro...
Como te amo...
Apesar de te não ver!
Não seria melhor esquecer-te?

3 comentários:

pedro disse...

Ola, tudo bem...fico feliz por estes poemas fazerem parte de um passado teu, se nao destroçavas o meu coraçao de ver tanta tristeza. fico feliz por ver-te assim como tas hoje, toda feliz...apesar disso o poema nao deixa de ser bonito...tens um certo dom para a poesia, sabias...beijocas do pedro

Brida disse...

Este poema não faz parte do meu passado...
faz parte do meu presente...
e faz parte do meu futuro...
Há muitas formas de se amar alguém.... se é nisso que estás a pensar!
jocas p ti e obrigado por teres comentado!

gilda disse...

nossa amei .. seus poemas se parecem um pouco com minha vida .. Que Deus te ilumine sempre bjãoo
gilda