sábado, novembro 12, 2005

CORRER RISCOS


Rir é correr o risco de parecer tolo.
Chorar é o risco
De parecer sentimental.
Estender a mão é correr o risco de se envolver
Expor os seus sentimentos
É correr o risco de mostrar o seu verdadeiro eu.
Defender os seus sonhos e ideias diante da multidão
É correr o risco de perder as pessoas.
Amar é correr o risco de não ser correspondido.
Viver é correr o risco de morrer.
Confiar é correr o risco de se decepcionar.
Tentar é correr o risco de fracassar.

Mas os riscos devem ser corridos,
Porque o maior perigo é não arriscar nada.
Há pessoas que não correm nenhum risco,
Não fazem nada, não têm nada e não são nada,
Eles até podem evitar sofrimentos e desilusões,
mas não conseguem nada, não sentem nada,
Não mudam, não crescem, não amam, não vivem.
Acorrentadas pelas suas atitudes,
Elas tornam-se escravas,
Privam-se da sua liberdade.
Somente a pessoa que corre riscos é livre!

Séneca (orador romano)

terça-feira, novembro 08, 2005


"Qualquer perda quando chega,
vem sempre cedo demais."

Morrie Schwartz

sexta-feira, novembro 04, 2005

(In)Felicidade





"Nunca se é tão INFELIZ como se pensa;
nem tão FELIZ como se desejaria"



Partimos ao encontro da felicidade
Por ela tomamos decisões
É por sua culpa que choramos
Sózinhos e entre as multidões.

Por não a encontrarmos sofremos
Por vezes até ao limiar da DOR
Entre lágrimas e gritos que sufocam
Quantos já padeceram por amor.

Dia e noite a perseguimos
Numa tentativa de a alcançar
Procurando uma porta aberta
Querendo sempre por lá ficar.

Mas o vento corre forte
E eu corro do Sul ao Norte
Sem a conseguir avistar.
Será que é a minha sorte
Ou será que nem após a morte
Nela vou conseguir atracar?

Não serás TU uma Utopia
E por isso não consigo, nem conseguia
a ti Felicidade alcançar?

quarta-feira, novembro 02, 2005



Consigo esquecer-te por momentos
Apago a tua existência das minhas memórias
Quero acreditar que doi menos assim...
... ao não lembrar-te!

Passo á tua porta e não entro
Puz as tuas fotos no fundo da gaveta
E as tuas recordações...
... no fundo do meu coração!

Como magoa este punhal
Que cravaram em meu peito
Se soubesses o que sinto...
Se soubesses como sofro...
Como te amo...
Apesar de te não ver!
Não seria melhor esquecer-te?